segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Revitalização do Bosque

Parceria com o Professor Antônio para calcular a área do bosque que está sendo revitalizada através do suporte do  PDDE - ESCOLAS SUSTENTÁVEIS  
A revitalização do bosque faz parte de uma agenda permanente de ações identificadas como necessárias pelo coletivo escolar na construção de uma escola sustentável. Calcular a área do bosque para futura intervenção envolve os alunos nos  estudos sobre a situação do espaço físico da escola, análise sobre a viabilidade de intervenções arquitetônicas de acordo com critérios de sustentabilidade, bem como realização das adequações identificadas como prioritárias por meio de ecotécnicas.

A Resolução CD/FNDE n° 18, de 21 de maio de 2013 diz que “Escolas sustentáveis são definidas como aquelas que mantêm relação equilibrada com o meio ambiente e compensam seus impactos com o desenvolvimento de tecnologias apropriadas, de modo a garantir qualidade de vida às presentes e futuras gerações. Esses espaços têm a intencionalidade de educar pelo exemplo e irradiar sua influência para as comunidades nas quais se situam. A transição para a sustentabilidade nas escolas é promovida a partir de três dimensões inter-relacionadas: espaço físico, gestão e currículo.”


segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Culminância : A natureza no urbano






Durante a Eletiva “ A natureza no urbano” veio o questionamento :
 - Como estão as unidades de conservação (UCs) da nossa região?
- Estão cumprindo seu objetivo de conservação da natureza?
- Tem um planejamento efetivo?
- Estão vulneráveis ou sofrendo ameaças? 

- Possuem recursos suficientes?

Para responder tais questões, os alunos se dividiram em grupo , realizaram diversas pesquisas e na culminância concluíram que as unidades de conservação são uma eficiente estratégia para reduzir a perda da biodiversidade. Mas, para garantir seu objetivo é preciso de uma boa gestão e fiscalização

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Relatório do Trabalho de Campo


Estamos acostumados a ver sempre o lado bom das coisas. Viver em São José dos Campos, uma cidade tecnologicamente estruturada, faz com que deixamos de perceber problemas sociais entre outras questões. A professora de Geografia Rosa propôs que fizéssemos um trabalho de percepção para observarmos mais um pouco da paisagem e do relevo ao nosso redor.

O nosso percurso foi um pouco extenso para que pudéssemos ver as inclinações e as condições que não estávamos habituados a observar. Iniciamos a proposta pela Rua Maria Francisca e continuamos pela Rua Vera Babo de Oliveira até a Rua Leonidia Dom Veneziane.  

Nesses percursos notamos muitos morros, em todos eles haviam famílias que enfrentam falta de mobilidade e construíram suas casas ali por falta de oportunidades. 

Com o auxílio do professor de matemática, Profº Antonio, medimos as inclinações e aí veio o questionamento: - Como uma senhora ou alguém que tenha algum comprometimento físico consegue se deslocar?  Observamos também vários trechos com calçadas estreitas e até mesmo trechos que sofrem a carência dela, colocando em risco a vida dos pedestres.

A infeliz realidade foi precisar descer correndo pela calçada para dividir o espaço com os carros que passam pela avenida. Onde está a infraestrutura da cidade que dizem ter uma tecnologia tão grande?  Será que temos que fingir que essa infraestrutura não atende a todos ?

No bairro Guimarães observamos um pouco mais a cidade. O bairro se formou na parte mais alta do entorno da escola. Ver que existe muitas casas e que a verticalização ainda não chegou no nosso bairro nos deu um grande alívio, porém, a cidade cresce rapidamente perdendo seus espaços verdes. Verificamos a carência de arborização em diversas ruas e caminhamos parte do percurso no sol.

A quantidade de animais pelas ruas, passando fome e sujeitos a pegar doenças cortou nosso coração. Para muitas pessoas é uma condição normal, mas o perigo está na transmissão de doenças, já que esses animais não são vacinados. O lixo também é outro problema. Água parada e encontramos até uma rato morto próximo a calçada.

O mais surpreendente do percurso foi ver uma casa que estava ao ponto de desabar. Essa situação é realidade para muitas pessoas que constroem suas casas em área de risco, justamente pela oportunidade de comprar um terreno barato. É estranho conviver com essa realidade e  não perceber que o problema é mais grave do que imaginamos já que no período das chuvas essa situação se agrava. Presenciamos também intensa degradação do solo e irregularidades na retirada da vegetação natural.

Como é possível pensar em algo positivo nesse cenário de degradação, exclusão e abandono? Quando olhamos o banhado e o verde que ainda existe na nossa região algo  parece nos motivar em busca de um futuro diferente. Mas é preciso conhecer o lugar onde vivemos para buscar soluções e não se acostumar com os problemas que estamos inseridos.

 Stephanie Santos 1C

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Trabalho de campo com o 1ºB






Aluno Rafael do 3 ano multiplica as ações de monitoramento da qualidade da água para os alunos do 1º ano
O monitoramento das águas do entorno da escola é uma proposta para reflexão sobre como os nossos hábitos cotidianos interferem nos recursos hídricos e encontrar soluções através de práticas adotadas pela educação ambiental. O monitoramento da água faz parte de um programa internacional de educação e sensibilização para conscientização e envolvimento na preservação dos recursos hídricos – World Water Monitoring Day – EUA.
Para realizar esta atividade utilizamos os seguintes parâmetros para os testes:  Oxigênio dissolvido, que mede quantas moléculas de oxigênio estão presentes na água.  O pH (Acidez) que mede se um líquido é ácido ou básico. A Turbidez (claridade) que mede a claridade da água e a temperatura para verificar o calor da água. O aluno Rafael do 3 EM  realizou o monitoramento em 2013 e esta multiplicando essa ação para  os alunos dos 1 º anos.
Desde 2013 monitoramos a qualidade das águas do entorno da escola para sensibilizar e conscientizar, não só os estudantes, mas toda a população do entorno, quanto à preservação dos recursos hídricos.
Para ampliar e dar continuidade as nossas ações, além dos testes da qualidade da água, organizamos diversas atividades, em diferentes momentos, contemplando outras áreas do conhecimento sobre a importância da preservação das águas do Rio Paraíba. É preciso entender que os diversos usos da água na Bacia Hidrográfica impactam na disponibilidade e qualidade da água.

            Foi possível observar que essa prática proporcionou constantes discussões sobre o uso racional da água e incentivou o desenvolvimento de ações ambientais, como a produção de mudas de árvores e o plantio na mata ciliar.

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Impactos ambientais no entorno da escola











Geografia
 A proposta da  SA* 7  
Competências/habilidades:
- Identificar e distinguir realidades geográficas, humanas e naturais, de escalas distintas, submetidas a lógicas diferentes.
-  Construir, aplicar habilidades relativas ao domínio da linguagem cartográfica como meio de visualizar a geografia da ação humana.
- Entender a lógica de produção e apropriação do espaço urbano e sua relação com as 
ocupações irregulares,  os principais impactos gerados pela urbanização e o enfrentamento para um ambiente urbano desejável.
Matemática
Competências/habilidades
- Resolver situações-problema, envolvendo as razões trigonométricas no triângulo retângulo.
- Determinar seno, consseno e tangente de ângulos no ciclo trigonométrico.
- Determinar a medida do ângulo central de polígonos regulares.
- Resolver situações-problemas que envolvam as relações entre os lados e ângulos de um triângulo não retângulo.


Envolvidos: Alunos do 1 EM C

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Proposta de revitalização do espaço verde





Período : Outubro - Novembro
Envolvidos: Alunos da Eletiva A natureza no urbano
Proposta: Revitalização do espaço verde escolar 

II Encontro sobre impactos de desastres naturais em infraestruturas de transporte e mobilidade urbana


Apresentação do Trabalho de Cartografia Social no II Encontro sobre impactos de desastres naturais em infraestrutura de transporte e mobilidade urbana realizado em São José dos Campos.


Resumo expandido do trabalho apresentado : AQUI

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

A natureza no espaço urbano


Um dos maiores desafios para a humanidade hoje é conciliar desenvolvimento econômico com a sustentabilidade do planeta.  É complexo lidar com problemas relacionados a ação antrópica que consequentemente   impacta na biodiversidade da cidade.



É preciso entender a importância das áreas de conservação para a manutenção da biodiversidade que contribuem para regular o clima, abastecer os mananciais de água e proporcionar qualidade de vida para todos. 

Objetivo: Compreender a importância de preservar os ambientes naturais que dão sustentação a vida do planeta.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Oficina: A natureza no urbano




Apresentação das discussões
Objetivo: Fazer com que os estudantes tenham contato com diferentes materiais para expressar suas relações com a natureza, seus hábitos e comportamento que impactam os ambientes naturais. 

Material utilizado: revistas, jornais, cola branca, tesoura, lápis ou caneta, sulfite, pincel largo, régua e outros materiais alternativos como sobra de EVA e cartolinas.

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Tecnologias ambientais para a sustentabilidade

Sistema de irrigação por pressão
Telhado Verde

Sistema de produção vertical por gotejamento

umidificador de ar

Forno Solar



Ecotécnicas são tecnologias ambientais sustentáveis que visam  reaproveitamento dos recursos naturais, incorporando saberes históricos, acadêmicos, assim como o saber local. 
Projetos desenvolvidos na Eletiva Ecotécnicas
Alunos envolvidos: 32 alunos do EMI
Professores: Dimas, Física /  Rosa, Geografia
Período: 1º semestre 2016.
Resultados: